Please select featured categories (for ticker) in theme admin panel. You can select as much categories as you want.

O OPERÁRIO

Uma produção espanhola, dirigida por um americano e estrelada por um ator galês. O Operário é um ótimo exemplo de globalização. Dirigido em 2004 por Brad Anderson, a partir de um roteiro original de Scott Kosar, o filme apresenta Christian Bale em um dos papéis mais marcantes de sua carreira. Aqui ele vive Trevor Reznik, um homem em completa degradação. Sua rotina pode ser bem resumida em uma palavra: pesadelo. Ele simplesmente não consegue dormir. Anderson trabalha com precisão as possibilidades de um roteiro que esconde mais do que apresenta. Na verdade, a história estabelece uma dúvida constante. Reznik é consumido por um forte sentimento de culpa. E, aos poucos, vamos nos inteirando de sua complexa personalidade. Bale nos brinda aqui com uma interpretação das mais ricas em gestos e olhares sutis e expressivos. A justiça dos homens, como se diz, pode até falhar. No entanto, a justiça interior, aquela que muitas vezes nem nos damos conta, essa assume facetas inesperadas e surpreendentes. O Operário lida com estes elementos e cria em nós angústias e pensamentos que não vão embora facilmente. Em tempo: Bale emagreceu quase trinta quilos para o papel e em seguida precisou engordar novamente para viver o Batman, no primeiro filme da trilogia de Christopher Nolan.

O OPERÁRIO (The Machinist – EUA/Espanha 2004). Direção: Brad Anderson. Elenco: Christian Bale, Jennifer Jason Leigh, Aitana Sanchez-Gijon, John Sharian, Michael Ironside, Larry Gillard Jr. e Anna Massey. Duração: 101 minutos. Distribuição: Amazon Prime.

Last modified: 7 de janeiro de 2018

Deixe uma resposta Computational Fluid Dynamics 2010: Proceedings of the Sixth International Conference on Computational Fluid Dynamics, ICCFD6, St Petersburg, Russia, on July 12-16, 2010

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Distributive Justice and Access to Advantage: G. A. Cohen's Egalitarianism