Please select featured categories (for ticker) in theme admin panel. You can select as much categories as you want.

OU TUDO OU NADA

Filme do dia

Quem poderia imaginar que um filme sobre um grupo de homens desempregados que resolve tirar a roupa em um strip-tease seria o mais lucrativo do ano? Sem atores conhecidos, com um diretor estreante e um orçamento modesto, cerca de 3,5 milhões, Ou Tudo ou Nada faturou quase 258 milhões de dólares nas bilheterias mundiais em 1997. Qual seria então o segredo desse sucesso? É bem simples. Antes de tudo, um roteiro muito bem escrito por Simon Beaufoy. Outro fator importante foi a escalação do elenco e fechando, uma direção que ressalta o melhor da tradição cinematográfica inglesa. Ao contrário do cinema americano, que desde o começo optou por “contar histórias”, os ingleses começaram realizando documentários e esse jeito “documental” de fazer filmes é visível nas obras de ficção, já que temos sempre a impressão de não estarmos vendo atores, mas, pessoas comuns em suas rotinas diárias. Ou Tudo ou Nada tem esse “clima” realista e natural que nos convence. Da primeira à última cena, tudo que acontece com as personagens é verdadeiro. Essa talvez seja a razão do sucesso do filme. Acreditamos e torcemos por aqueles homens que enfrentam a falta de trabalho e a baixa auto-estima e decidem “virar o jogo”, nem que para isso, tenham que tirar a roupa e mostrar tudo.
OU TUDO OU NADA (The Full Monty – Inglaterra 1997). Direção: Peter Cattaneo. Elenco: Robert Carlyle, Tom Wilkinson, Paul Barber, Mark Addy, Hugo Speer e Leslie Sharp. Durãção: 91 minutos. Distribuição: Fox.

Last modified: 29 de abril de 2015

2 respostas para “OU TUDO OU NADA”

  1. Muitíssimo interessante a leitura sobre (uma das) diferenças entre o cinema americano e o inglês. Joga uma luz sobre a explicação do sucesso de “Full Monty” e vai além – essa luz revela outros objetos do universo cinematográfico e as suas múltiplas formas narrativas. De fato, cinema não é uma coisa só. Cinema deveria ser um substantivo já no estado plural, como “pires” ou “lápis”.

  2. Gaby Brandalise disse:

    Hahaha eu adooooooro esse filme. Já assisti um monte de vezes na TV a cabo. A cena em que a esposa de um deles encontra a tanga que ele usa para fazer o show e acha que ele está tendo um caso é incrível.

Deixe uma resposta para glauber gorski Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *