Please select featured categories (for ticker) in theme admin panel. You can select as much categories as you want.

BLADE RUNNER 2049

Na Telona, Slider

Blade Runner 2049 poster

Começo com uma pergunta: há necessidade de continuação para um filme que tornou-se tão singular e icônico como Blade Runner: O Caçador de Andróides? Se o projeto caísse nas mãos de um diretor qualquer, seguramente a resposta seria não. Mas e se fosse parar nas mãos de um diretor talentoso e apaixonado pelo filme original? Aí tudo muda de figura e a resposta, quem sabe, seria um talvez. Blade Runner 2049, dirigido pelo canadense Denis Villeneuve, de Sicário – Terra de Ninguém, O Homem Duplicado e A Chegada, finalmente está em cartaz nos cinemas de todo o mundo para responder essa pergunta e algumas outras que ficaram pendentes no primeiro filme.

Blade Runner 2049.3

A história desta sequencia começou em março de 2011, quando a produtora Alcon Entertainment anunciou a compra dos direitos sobre obras originais a partir do universo apresentado no livro de 1968 e que deu origem ao filme de 1982. Inicialmente, pensou-se em uma série de TV e alguns filmes derivados. Mas, em pouco tempo, a empresa decidiu fazer uma continuação. Ridley Scott voltaria a dirigir e Hampton Fancher escreveria novamente o roteiro. Aos poucos, o projeto foi tomando forma e terminou por ganhar um novo diretor, Denis Villeneuve. Com isso, Scott assumiu a produção executiva e Michael Green se juntou a Fancher para finalizar o roteiro.

Aproveitando os 35 anos que se passaram do lançamento do filme original, a ação, como o próprio título já adianta, se passa no ano de 2049, exatos trinta anos após os eventos do primeiro filme. Diferente da obra de 1982, que tinha poucas locações externas e diurnas, se concentrando majoritariamente em salas ou outros ambientes internos e noturnos, o novo Blade Runner não chega a ser um filme solar (as condições climáticas do planeta não permitiriam), mas apresenta muito mais cenários externos, outras cidades e regiões além de Los Angeles, ampliando sobremaneira aquele mundo distópico.

Blade Runner 2049.1

Fica aquela pergunta que não quer calar: o filme é bom? A resposta é simples e direta: sim! Villeneuve, ciente da responsabilidade de dirigir a continuação de uma obra tão marcante, não quis se arriscar em criar um novo mundo. Ou seja, não quis “reinventar a roda”. Seu Blade Runner segue os passos do anterior e, da mesma forma que Ridley Scott “imaginou” um mundo para situar sua trama em 2019, ele também fez o mesmo em relação ao ano de 2049. Inclusive com a realização de três curtas disponíveis no YouTube (Black Out 2022; 2036: Nexus Dawn e 2048: Nowhere to Run), que servem de aperitivo para seu filme.

A ação começa apresentando o policial K (Ryan Gosling) e seu encontro com Sapper Morton (Dave Bautista). Surge aí uma pista misteriosa que move toda a história. O que faz com que K procure por Rick Deckard (Harrison Ford) e fuja dos interesses comerciais de Niander Wallace (Jared Leto). O roteiro é, em sua essência, bem simples. A forma como a história é contada é bem complexa. Villeneuve segue a cartilha que Scott utilizou anteriormente e vai na contramão do que costuma ser feito em filmes do gênero. A inspiração noir e o ritmo lento, pausado e contemplativo permanecem.

Blade Runner 2049.2

O novo filme respeita, homenageia e expande o universo apresentado na obra original. Da deslumbrante fotografia de Roger Deakins à montagem de Joe Walker, colaboradores habituais de Villeneuve; passando pelos cenários criados por Dennis Gassner, os objetos de cena de Alessandra Querzola e os figurinos de Renée April. Tudo em Blade Runner 2049 é familiar e novo ao mesmo tempo. Assim como a trilha sonora, composta por Benjamin Wallfisch e Hans Zimmer, que emula os sons criados por Vangelis para a trilha original. É aquela sensação de voltar para casa e perceber que ela continua a mesma, porém, com pequenas mudanças.

Termino com outra pergunta: Blade Runner 2049 nasceu clássico? Ainda é muito cedo para responder. Por conta da grande expectativa em torno dele, dificilmente se repetirá o que aconteceu com o filme de Scott, que foi um fracasso quando estreou e não conseguiu estabelecer um diálogo nem com o público e muito menos com a crítica. Desta vez, até por comparação, todos deverão se manifestar. E a maioria, até o momento, tem se manifestado positivamente. Quanto à pergunta, o tempo se encarregará de respondê-la.

BLADE RUNNER 2049 (Blade Runner 2049 – EUA 2017). Direção: Denis Villeneuve. Elenco: Ryan Gosling, Harrison Ford, Jared Leto, Robin Wright, Dave Bautista, Ana de Armas, Sylvia Heoks, Mackenzie Davis, Lennie James, Carla Juri, Barkhad Abdi e Hiam Abbass. Produção Executiva: Ridley Scott. Roteiro: Hampton Fancher e Michael Green. Fotografia: Roger Deakins. Duração: 163 minutos. Distribuição: Sony.

Last modified: 6 de outubro de 2017

4 respostas para “BLADE RUNNER 2049”

  1. Asuka Amaterasu disse:

    Faz um vídeo falando o que achou sobre o filme.

  2. Camila Coutinho disse:

    A grande força do novo Blade Runner reside no visual fabuloso, muito fiel ao original, e repleto das marcas de autor a que Villeneuve nos tem habituado nos seus filmes. O filme Blade Runner 2049 me manteve tensa todo o momento, se ainda não a viram, eu acho que é um dos melhores filmes ficção cientifica que foram lançados.. No elenco vemos Ryan Gosling e Ana de Armas, dois dos atores mais reconhecidos de Hollywood que fazem uma grande atuação neste filme. Realmente a recomendo.

Deixe uma resposta