ARGO

230-Argo

– Ok. Você tem seis pessoas escondidas em uma cidade de quatro milhões de habitantes, onde todos gritam “morra América” o dia todo. Você quer preparar um filme em uma semana. Você quer mentir para Hollywood, um lugar onde todo mundo mente para viver. Então você vai  colocar o 007 aqui em um país que quer beber o sangue da CIA no café da manhã e para tirar a Família Brady da cidade mais vigiada do mundo. – E depois passar por centenas de soldados no aeroporto. Isso mesmo. –  Olha, vou te dizer uma coisa: Nós já tivemos missões suicidas no Exército com melhores chances do que essa. Esse diálogo entre o produtor Lester Siegel e o agente da CIA Tony Mendez resume bem o enredo de Argo, o grande vencedor do Oscar 2012, dirigido por Ben Affleck. O roteiro de Chris Terrio se baseia em uma reportagem da revista Wired, escrita por Joshuah Bearman e também em relatos do verdadeiro Tony Mendez. A história começa em 1979, quando a embaixada americana em Teerã foi invadida por um grupo de iranianos revoltados pelo fato de os Estados Unidos terem dado abrigo político ao Xá Reza Pahlevi. 52 americanos foram mantidos como reféns. No meio da invasão, sem que ninguém perceba, seis funcionários da embaixada fogem e se escondem na casa do embaixador canadense. A trama parece coisa de ficção, mas, aconteceu mesmo. A solução apresentada por Mendez (Affleck) para resgatar o grupo foi simular a produção de um filme de ficção-científica com locações no Irã. Segundo ele, “a melhor pior idéia” que ele teve. Com o aval da CIA, Mendez entra em contato com John Chambers (John Goodman), responsável pela maquiagem de O Planeta dos Macacos, que o apresenta ao produtor Lester Siegel (Alan Arkin). Argo é o terceiro trabalho como diretor de Ben Affleck, um ator limitado que tem se revelado um excelente cineasta. A reconstituição de época é primorosa. O roteiro sabe explorar bem os conflitos que surgem das situações apresentadas. O elenco, apesar do tamanho, está em completa harmonia. A montagem de William Goldenberg é tensa e precisa. E Affleck conduz tudo com sutileza e maturidade. Ele ganhou os principais prêmios de direção do ano, com exceção do Oscar. Injustamente, a Academia nem sequer o indicou na categoria. No final, ganhou os prêmios de melhor filme, roteiro adaptado e montagem. E antes que eu me esqueça: Argo fuck yourself!

ARGO (Argo – EUA 2012). Direção: Ben Affleck. Elenco: Ben Affleck, Bryan Cranston, Alan Arkin, John Goodman, Victor Garber, Tate Donovan, Clea DuVall, Kyle Chandler, Zeljko Ivanek, Kerry Bishé e Titus Ivanek. Duração: 120 minutos. Distribuição: Netflix.

Last modified: 6 de outubro de 2017

Deixe uma resposta


Das Zeitdenken bei Husserl, Heidegger und Ricoeur